Cidade de prefeito que ouviu de pastor ligado ao MEC pedido de propina em ouro abriga garimpos ilegais no MA


Parte da população do município de Luís Domingues vive da extração ilegal de ouro e da produção de açaí. Verba pedida ao Ministério da Educação seriam para a construção de creches e escolas. Visão aérea da cidade de Luís Domingues (MA)
Reprodução/Prefeitura de Luís Domingues
Em uma região cercada de garimpos ilegais, Luís Domingues, cidade com 7 mil habitantes no interior do Maranhão, ganhou destaque nacional após o prefeito, Gilberto Braga (PSDB), afirmar que um pastor que integra um gabinete paralelo no Ministério da Educação (MEC) ter pedido a ele propina de um quilo de ouro em troca da liberação de recursos.
Localizado a 230 km da capital, São Luís, o município tem uma área urbana com poucas ruas, ladeadas por casas simples e comércio local. Ao todo, segundo a prefeitura, pouco mais de 2 mil alunos estudam em sete escolas públicas, sendo seis municipais e com estruturas ainda dos anos 1970.
Os recursos pleiteados ao MEC seriam para a construção de escolas e creches e outras atividades relacionadas à educação.
Parte da população vive da extração ilegal do ouro, que marca a paisagem, desmatada para a atividade, com escavações e a formação de lagoas, causando danos ao meio ambiente. A região também é conhecida pela produção de açaí.
Áreas de vegetação que já foram desmatadas por causa do garimpo ilegal em Luís Domingues
Reprodução/TV Mirante
História de Luís Domingues
De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o município foi criado a partir do povoado de Olho d'Água, fundado em 1880.
Antes de ser emancipado politicamente, em 1960, Luís Domingues era parte do município de Carutapera. O nome é uma homenagem a Luís Antônio Domingues da Silva, que foi Deputado Geral na época do Império no Brasil e governador do Maranhão.
A cidade ocupa a 4.444ª posição entre 5.565 municípios brasileiros no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) para 2010, que mede a qualidade de vida.
Economia e renda
Segundo o IBGE, a estimativa de salário médio mensal dos trabalhadores formais em Luís Domingues era de cerca de 1,8 salários mínimos em 2019. Da população empregada formalmente naquele ano, apenas 6,1% trabalhava na própria cidade.
Entre os 5.570 municípios brasileiros, Luís Domingues apareceu nas últimas posições, em 5460°, de menor Produto Interno Bruto (PIB) per capita em 2019, de R$ 6.646,02, em 2019.
Pedido de propina
O pedido de propina relatado por Braga teria sido feito por Arilton Moura, um dos pastores que teriam interferência na distribuição de verbas da Educação, foi revelado pelo prefeito ao jornal "O Estado de S.Paulo".
Moura é também um dos citados pelo ministro da Educação, Milton Ribeiro, em um áudio, obtido pela "Folha de S.Paulo", sobre um pedido do presidente Jair Bolsonaro para favorecer as indicações de pastores para aplicação de verbas públicas.
MPF vai apurar se houve irregularidades na liberação de verbas federais da educação
FNDE: como funciona o órgão do MEC de onde sai a verba sob suspeita de ser negociada por pastores
TCU vai fiscalizar estrutura do MEC responsável pela transferência de recursos a municípios
Comissão do Senado aprova convite para ministro da Educação explicar atuação de pastores
Ao g1, por meio de nota, o prefeito Gilberto Braga confirmou a veracidade das declarações e afirmou que não deu "qualquer crédito às supostas propostas do pastor" (Leia a nota completa abaixo). Ao blog da Ana Flor, Braga diz temer pela própria vida.
Natural de Bragança (PA), ele tem 44 anos e está no seu segundo mandato à frente da gestão municipal. Foi eleito em 2020 com 60,38% com 2.746 votos válidos. Na época das eleições, Gilberto Braga não declarou nenhum bem ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Íntegra da nota do prefeito Gilberto Braga (PSBD)
"A respeito das notícias envolvendo seu nome em diversos veículos de comunicação, o prefeito de Luís Domingues, Estado do Maranhão, Gilberto Braga, vem a público dizer que confirma o teor das declarações dadas ao jornalista Breno Pires, de "O Estadão".
Alude que, por não ter parecido suficientemente claro – até porque tratou-se de uma conversa telefônica – que em nenhum momento deu qualquer crédito às supostas propostas do pastor Arilton Moura, tendo-as como mais uma das inúmeras propostas de “vendedores” de facilidades e/ou “fazedores” de milagres que povoam Brasília e que ganham a vida assediando os mais diversos gestores públicos.
Assim, por não acreditar na “inusitada” conversa em ambiente público, não efetuou qualquer depósito na conta indicada pelo pastor ou qualquer outra, bem como, nunca teve nenhuma das demandas do município Luís Domingues encaminhadas por ele, preferindo utilizar os canais oficiais do Ministério da Educação – MEC, para propor as demandas do município, que são muitas, e esperar vê-las atendidas durante o curso do seu mandato. – Gilberto Braga"