Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entenda por que a Codevasf, estatal alvo de investigações, é cobiçada por políticos

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram
Empresa pública foi criada para obras de irrigação na bacia do São Francisco, mas teve atuação e orçamento expandidos. PF e CGU apuram possível corrupção nos contratos da companhia. Alvo...

Empresa pública foi criada para obras de irrigação na bacia do São Francisco, mas teve atuação e orçamento expandidos. PF e CGU apuram possível corrupção nos contratos da companhia. Alvo de investigação da Polícia Federal, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), tem alcance e atuação cada vez maiores e é uma das empresas públicas mais cobiçadas por políticos.
Com um orçamento de R$ 2,7 bilhões para este ano, a estatal tem como atribuições:
desenvolvimento de bacias hidrográficas e de projetos de irrigação;
implementação de ações e instalações para saneamento básico;
realização de obras de pavimentação;
construção de pontes;
entrega de máquinas e equipamentos, como motoniveladoras e escavadeiras.
Essa lista é maior que a prevista no projeto inicial da companhia. A Codevasf foi criada para atuar especificamente nos projetos de irrigação e segurança hídrica da região do entorno do Rio São Francisco (leia mais abaixo).
Dados da ONG Contas Abertas enviados ao g1 indicam que o governo Jair Bolsonaro autorizou, no acumulado desde 2019, um orçamento total de quase R$ 9 bilhões para a Codevasf.
Desse valor, mais de R$ 7 bilhões foram empenhados (geraram expectativa de pagamento) e quase R$ 5 bilhões foram efetivamente pagos.
Obras 'na ponta'
As obras são consideradas importantes porque chegam "na ponta" dos redutos políticos e fortalecem as bases de deputados e senadores – que costumam acompanhar a entrega de maquinários, por exemplo, e se tornar "padrinhos" de determinado projeto.
"A Codevasf entrou no radar dos políticos exatamente por atuar com um setor estratégico em relação aos governos: construir obras. Uma obra é muito capitalizada politicamente, explorada principalmente por quem faz a entrega do serviço à população", afirma Tiago Valenciano, cientista político e membro da Associação Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep).
“Facilitando licitações, certamente há interesses políticos para a realização destas obras, sobretudo em período pré-eleitoral e eleitoral”, acrescenta.
Valor de emendas de relator para Codevasf dobra após pedido de líderes partidários
Suspeitas na estatal
Relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) apontou falta de planejamento e sobrepreço em licitação para a compra de tubos de PVC na Bahia.
O objeto do pregão eletrônico foi o fornecimento, transporte, carga e descarga de tubos de PVC de diversas especificações para aplicação em sistemas de abastecimento de água e sistemas de irrigação.
A CGU afirma que houve, por duas vezes, recomendação para suspensão do edital, mas que a recomendação de suspensão “não foi acatada pela gestão da Codevasf, que optou por assumir os riscos advindos do prosseguimento do certame”.
Em outra frente, a PF deflagrou uma operação na semana passada para desarticular uma associação criminosa suspeita de fraudes em licitações, desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro envolvendo verbas federais em contratos com a Codevasf no Maranhão.
Um empresário foi preso, e foram apreendidos relógios de luxo e R$ 1,3 milhão em dinheiro vivo.
Polícia Federal investiga corrupção na CODEVASF
Comando do Centrão
A Codevasf é vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Regional, e a nomeação do comando da estatal é uma prerrogativa do presidente da República.
No entanto, a empresa se tornou alvo de negociação política, e atualmente tem entre seus chefes (a nível nacional e nas superintendências regionais) pessoas indicadas por políticos do Centrão, grupo multipartidário que dá sustentação ao governo no Congresso.
Desde 2020, a estatal virou fonte abundante de recursos oriundos das emendas de relator, o chamado orçamento secreto, recurso controlado pela cúpula do Congresso com o aval do governo que não segue os critérios de transparência.
Após pedido de lideranças partidárias, a fatia do orçamento da estatal destinada ao “orçamento secreto” dobrou neste ano, passando de R$ 610 milhões para R$ 1,2 bilhão. De acordo com o Contas Abertas, os recursos das emendas de relator para a Codevasf chegam a quase R$ 2,8 bilhões.
Para o cientista Rafael Cortez, sócio da Tendências Consultoria, os parlamentares buscam conquistar uma “conexão eleitoral” por meio da visibilidade conquistada com projetos que são facilmente identificáveis pelo eleitorado.
A medida, diz, é uma das formas do exercício da representação política e faz parte do jogo democrático. O problema é que nem sempre os projetos correspondem a uma demanda realmente necessária.
“O primeiro problema é identificar se de fato há uma demanda da maioria de um eleitorado, ou se [o programa] é capturado e serve de pretexto para outros interesses que vão se associando e acabam deturpando a alocação de recursos. O fazer política não necessariamente se traduz em eficiência de alocação de gasto”, disse o cientista político.
Atuação ampliada
A Codevasf teve a criação determinada por lei em 1974 e, desde então, teve o rol de atuação ampliado por sucessivas modificações da legislação. Inicialmente, a companhia teria atuação voltada a bacias hidrográficas e era restrita aos estados de Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Minas Gerais e Goiás, e também o Distrito Federal.
Em 2000, Piauí e Maranhão também foram incluídos no guarda-chuva da companhia. Nove anos depois, o Ceará entrou no rol de alcance.
Desde então, houve outras mudanças que incluíram novas regiões no âmbito da empresa – a última delas, capitaneada pelo então presidente do Senado, Davi Alcolumbre (União-AP), foi aprovada em 2020.
Com as inclusões, a Codevasf passou a atuar também nas bacias hidrográficas e litorâneas nos estados do Amapá, Mato Grosso, Pará, Tocantins e Rio Grande do Norte e atualmente alcança setores diversos, como o de construção de pontes, pavimentação de estradas e entrega de maquinários.

Deixe sua Opinião

Ultimas Noticias

Siga a Gente

--:--
--:--
  • cover
    Rede Mano Santana
  • cover
    Mirante FM