Estudante de direito está desaparecido há 23 dias em Teresina; polícia investiga se corpo carbonizado é de Lucas


O jovem foi visto pela última vez na madrugada do dia 24 abril. Segundo a namorada de Lucas, Gabriela Vasconcelos, ele teria pulado da ponte Juscelino Kubitschek, sobre o Rio Poti.

O Departamento do Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) segue investigando o sumiço do estudante de direito Lucas Vinícius Monteiro Oliveira, de 24 anos, que está desaparecido há 23 dias. A polícia segue tratando o caso como desaparecimento.

O jovem foi visto pela última vez na madrugada do dia 24 abril. Segundo a namorada de Lucas, Gabriela Vasconcelos, ele teria pulado da ponte Juscelino Kubitschek, sobre o Rio Poti.

O Corpo de Bombeiros informou ao g1, nessa segunda-feira (16), que, a pedido da Polícia Civil, foram realizadas buscas no rio na quinta (13) e sexta-feira (14). A corporação comunicou que está monitorando informações da população que indiquem a possibilidade de corpos ou vestígios para a localização de Lucas Vinícius.

Investigação avançada

De acordo com o delegado Francisco Costa, o Barêtta, coordenador do DHPP, a investigação está bastante avançada. Segundo ele, a falta de monitoramento de câmeras na Ponte JK, na Avenida Frei Serafim, atrapalhou as apurações.

“Isso dificultou um pouco, mas não fez com que a polícia deixasse de esclarecer os fatos. Estamos usando outros métodos que demoram. Nós fazemos tudo dentro da legalidade”, afirmou o delegado Barêtta.


Corpo carbonizado

A Polícia Civil investiga ainda se o corpo carbonizado encontrado no Assentamento Emiliano Batata, próximo ao Rodoanel, na zona rural Sudeste de Teresina, no último dia 30 de abril, seria de Lucas Vinícius. Contudo, a confirmação só virá após a realização de um exame de DNA, cujo resultado ainda não foi divulgado.

“Estamos aguardando o exame de DNA porque foi coletado material genético para que a gente possa confrontar. Também foi colhido material dos familiares dele”, comentou o delegado Barêtta.

Namorada não retirou dinheiro da conta de Lucas, diz polícia

Os pais do estudante afirmam que, após o desaparecimento do jovem, Gabriela realizou uma transferência de R$ 3,5 mil da conta dele para a dela. Porém, a polícia negou que ocorreu essa transferência, visto que a conta bancária usada pelo estudante de direito era da própria namorada.

“Na realidade, a conta era no nome dela. Ele usava o cartão dela, no nome dela. Ela que fazia todos os pagamentos de despesa e tudo mais”, afirmou o coordenador do DHPP.


Relato da namorada

Lucas Vinícius é natural de São Paulo e mora em Teresina há cerca de dois anos. O relacionamento dele com Gabriela tinha também cerca de dois anos. A família de Lucas vive em São Paulo, e viajou para o Piauí para acompanhar a investigação.

O advogado Ítalo Veras, que representa Gabriela Vasconcelos, namorada de Lucas Vinicius, disse que na madrugada de 24 de abril o casal voltava de uma festa, onde estavam com outros amigos, e teria discutido no caminho. O advogado não deu detalhes do motivo da discussão.

Ao chegar à ponte JK, na Avenida Frei Serafim, o rapaz teria tentado saltar do carro. Gabriela, que dirigia, parou o veículo para que ele não pulasse. Em seguida, o estudante saiu do carro, caminhou até a beirada da ponte e caiu no rio.

Depois do ocorrido, Gabriela pediu ajuda a motoristas que passavam pela ponte, e chegou a se colocar diante de um carro, para fazê-lo parar, segundo o advogado. A jovem ligou ainda para amigos do casal, que haviam ficado na festa, e eles também teriam ido ajudá-la. Ela foi socorrida por essas pessoas e levada a um hospital.

Fonte: Blog do Gilberto Lima