Estudante de medicina do Maranhão leva música com sanfona a pacientes internados em hospital; VÍDEO


Segundo Mickael Itallo, a música está ajudando na recuperação dos pacientes e levando um clima positivo ao ambiente hospitalar. Estudante de medicina leva música com sanfona a pacientes internados em UTI
Um estudante de medicina maranhense, de 21 anos, está fazendo a diferença ao levar música para pacientes que estão internados na Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) Pirambu, em Fortaleza, no Ceará.
Em um vídeo (veja acima), gravado no último dia 19 de junho, Mickael Itallo aparece tocando sanfona e levando alegria a pacientes e demais profissionais de saúde. A música muda o ambiente, faz os pacientes cantarem e anima os colegas a dançar.
Veja também: Jovem em São Luís que cantava nos ônibus para pagar a faculdade se forma em medicina
Nascido em Pedreiras, no Maranhão, Mickael passou no vestibular em uma faculdade particular de medicina, em Sobral. Atualmente, está no terceiro período do curso. Ao g1, o estudante explicou como surgiu a ideia de tocar sanfona na UPA.
"Fui acompanhar meu primo, Dr. Tarcylio, que é emergencista na UPA, e tivemos a ideia de levar a sanfona para o plantão, pra no final da tarde descontrair um pouco. Perguntei antes aos pacientes se gostariam que levasse a sanfona e todos gostaram da ideia. Então coloquei a sanfona no peito e sai tocando e cantando de leito em leito. Muitos pacientes ficaram animados e felizes", conta.
Mickael Itallo é maranhense e levou música a pacientes internados em uma UPA no Ceará
Arquivo Pessoal
A atitude de levar forró à UPA tem rendido diversos elogios nas redes sociais e também dos pacientes, que se sentem gratos por ter um momento de alegria durante a internação. Além da sanfona, Mickael toca violão, teclado e cavaquinho.
"Uma paciente passou a manhã chorando após ser internada, e quando comecei a tocar ela se levantou sorrindo e começou a me filmar. Acredito que a música restaura muita gente, a sanfona é um instrumento que é tocado colado no peito, cheio de sentimentos, e o principal deles, o amor. Quando isso é transmitido para quem está nos seus piores dias, pode levar um ar de esperança e de felicidade"
Na ciência, várias pesquisas já têm provado o quanto a música pode fazer bem à saúde, como no estimulo à memória, alívio de dores e até no controle da pressão alta. Da mesma forma, Mickael acredita que está ajudando na recuperação dos seus pacientes e promete tocar mais vezes.
"Acredito que a música cura as pessoas. Estar em um leito por dias sem nada de novo ao não ser o barulho dos aparelhos chega a ser ensurdecedor. Quando se ouve o som de uma música, de uma sanfona, a alma se renova de alguma forma, o paciente se sente acolhido, se sente melhor por algum instante. São gestos simples que não demandam muito tempo, somente bondade", finalizou.