Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Justiça Federal mantém prisão temporária do empresário Eduardo DP, apontado pela PF como líder de organização criminosa

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram
Segundo a Polícia Federal, Eduardo Costa é o chefe de uma organização criminosa que criava empresas de fachada para simular concorrência em licitações públicas.A Justiça Federal do Maranhão fez, nesta...


Segundo a Polícia Federal, Eduardo Costa é o chefe de uma organização criminosa que criava empresas de fachada para simular concorrência em licitações públicas.

A Justiça Federal do Maranhão fez, nesta quinta-feira (21), a audiência de custódia do empresário Eduardo Costa Barros, preso na quarta (20) em uma operação da Polícia Federal. Conhecido como Eduardo DP e Imperador, ele vai continuar em prisão temporária. O empresário é suspeito de fraudes e desvio de dinheiro público na Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).

Tudo o que foi apreendido pela Polícia Federal — relógios caros, joias, documentos e mais de R$ 1 milhão em dinheiro vivo — vai ficar em poder da Justiça enquanto durarem as investigações.

Eduardo Costa foi preso na quarta-feira (20), em São Luís, porque seria sócio oculto da construtora Construservice, alvo da operação que investiga suspeitas de fraudes em contratos com a Codevasf, para a realização de obras em municípios do Maranhão.

Na decisão que autorizou a operação, o juiz afirma que o objetivo era investigar uma suposta associação, dita criminosa, destinada, em tese, a cometer fraudes licitatórias e lavagem de dinheiro, utilizando verbas federais oriundas da Codevasf.

Na decisão, o juiz escreveu que a investigação encontrou fortes indícios de fraudes em licitações para obras de pavimentação de vias urbanas e rurais, e a Polícia Federal suspeita da participação de um servidor da Codevasf, que teria envolvimento direto com o esquema criminoso.

Segundo a Polícia Federal, Eduardo Costa é o chefe de uma organização criminosa que criava empresas de fachada para simular concorrência em licitações públicas. Com isso, a Construservice, principal empresa do grupo, ganhava as obras da Codevasf com facilidade.

A polícia afirma que ele usava quatro CPFs e, quando foi preso, foi surpreendido com diversos cartões em nome, justamente, das empresas investigadas e de algumas pessoas interpostas, o que reforça a tese da lavagem de dinheiro.

A empresa Construservice não tinha contratos com o governo federal até 2019. Mas, de lá para cá, conseguiu fazer obras de pavimentação com recursos federais em vários estados.

Segundo o Portal da Transparência, o governo federal empenhou para a Construservice R$ 32 milhões em 2019; R$ 16 milhões em 2020 e R$ 92 milhões em 2021. E esse valor pode aumentar porque, no fim do ano passado, a empresa venceu outras licitações.

A Codevasf, empresa pública ligada ao Ministério do Desenvolvimento Regional, atualmente é comandada por indicados do Centrão, grupo de partidos da base de apoio do presidente Jair Bolsonaro.

Presente em 15 estados e no Distrito Federal, a Codevasf foi um dos órgãos do governo federal que receberam verbas significativas do chamado orçamento secreto – uma prática que permite a parlamentares repassar verbas aos estados por emendas do relator do Orçamento -, o que impede ou dificulta a identificação deles, diminuindo a transparência.

Neste ano, o orçamento previsto inicialmente das emendas do relator para a Codevasf era de R$ 610 milhões. Mas, a pedido de lideranças partidárias, o governo praticamente dobrou esse valor.

Em um relatório divulgado em 2022, a Controladoria Geral da União chamou atenção para o fato de que as emendas de relator são, hoje, a principal fonte de recursos para investimentos da Codevasf.

De acordo com a CGU, em 2014, as emendas destinadas à empresa somaram R$ 133 milhões. Em 2019, primeiro ano do governo Bolsonaro, esse valor subiu para R$ 309 milhões. E continuou aumentando: em 2020, a Codevasf recebeu R$ 545 milhões em emendas e, em 2021, o valor passou de R$ 1,3 bilhão.

O presidente da Associação Contas Abertas, Gil Castelo Branco, afirma que a falta de transparência facilita o crime de corrupção.

“Eu diria que a Codevasf acabou se tornando o paraíso dos políticos, no que diz respeito às emendas de relator, porque realmente atua em obras de interesse dos políticos, com dividendos eleitorais. E também porque permitiu que essas emendas fossemutilizadas sem critérios socioeconômicos e sem parâmetros técnicos. Pesa no bolso dos brasileiros que pagam impostos, taxas e contribuições, e que geram esses recursos que acabam sendo distribuídos na forma de emendas de relator para empresas como a Codevasf, que atua em obras de interesse político e que acabam, portanto, não tendo esses cuidados devidos para a implementação destes recursos”, lamenta.

A defesa de Eduardo Costa negou as acusações. Afirmou que a prisão dele é ilegal e desnecessári

A Codevasf declarou que a responsabilidade legal dos convênios citados não é da companhia e sim das prefeituras. E que está colaborando com as investigaçõe

O Ministério do Desenvolvimento Regional também informou que os processos de licitação são de responsabilidade dos municípios. Que esses processos passaram por fiscalização. E que nenhuma irregularidade foi encontradas.

O ministério também declarou que as obras citadas foram concluídas. E que – depois de ser notificado formalmente – vai tomar providências.

A Construservice não se manifestou.

Fonte: Blog do Gilberto Lima

Deixe sua Opinião

Ultimas Noticias

Siga a Gente

--:--
--:--
  • cover
    Rede Mano Santana
  • cover
    Mirante FM