Polícia Federal prende homem que armazenava imagens de abuso sexual infantil; em algumas imagens o suspeito aparece praticando os abusos


O homem foi preso na cidade de Vitória do Mearim, a 176 km de São Luís, em cumprimento a um mando de prisão preventiva feito pela PF, durante a Operação Contrição II, que visa reprimir o crime de abuso sexual de crianças e adolescentes. Polícia Federal prende homem que armazenava imagens de abuso sexual infantil; em algumas imagens o suspeito aparece praticando os abusos
Reprodução/TV Mirante
Na manhã desta terça-feira (31), um homem foi preso pela Polícia Federal suspeito de armazenar arquivos de fotos e vídeos contendo cenas de abuso sexual infantil, sendo que em algumas dessas imagens o suspeito aparece praticando os abusos.
O homem foi preso na cidade de Vitória do Mearim, a 176 km de São Luís, em cumprimento a um mando de prisão preventiva feito pela PF, durante a Operação Contrição II, que visa reprimir o crime de abuso sexual de crianças e adolescentes.
A investigação conduzida pela Polícia Federal, com apoio de organismos internacionais, apurou que um homem mantinha armazenados em provedor de serviço de nuvem, alguns arquivos de fotos e vídeos contendo cenas de abuso sexual infantil.
As buscas realizadas a partir desses dados possibilitou a identificação do abusador, o qual foi localizado e preso em Vitória do Mearim.
Além do mandado de prisão preventiva, a PF também cumpriu um mandado de busca e apreensão, com o objetivo coletar outras evidências que reforcem as conclusões da investigação, o afastamento do agressor das vítimas, interrompendo os episódios de abuso, além da identificação de outras possíveis vítimas.
Segundo a Polícia Federal, o investigado deverá responder pelos crimes de:
estupro de vulnerável (art. 217-A do Código Penal – pena de 8 a 15 anos)
produção de vídeo de abuso sexual infantil (art. 240 da Lei 8.069/90 – pena de 4 a 8 anos)
Posse (art. 241-B, da Lei n.º 8.069/90 – pena de 1 a 4 anos ) e compartilhamento de imagens de abuso sexual infantil (art. 241-A da Lei n.º 8.069/90 – pena de 3 a 6 anos)
Ainda de acordo com a PF, o nome da operação faz referência ao ‘Ato de Contrição’, oração cristã que expressa a tristeza do pecador pelos pecados praticados.