Presos suspeitos de matar comerciante em São Luís; mandantes prometeram pagar os executores do crime com drogas


Carlos Antônio Polary de Brito, de 59 anos, foi assassinado a tiros no dia 20 de setembro de 2021, na rua 11 do bairro Jardim São Cristóvão, em São Luís. Homem é morto com oito tiros no bairro Jardim São Cristóvão
Divulgação
Quatro pessoas foram presas, entre os dias 4 e 7 de abril, suspeitas de participação na morte de um comerciante, identificado como Carlos Antônio Polary de Brito, de 59 anos. O crime aconteceu na manhã do dia 20 de setembro de 2021, na rua 11 do bairro Jardim São Cristóvão, em São Luís.
A vítima foi alvejada com cerca de oito disparos de arma de fogo, enquanto dirigia um veículo, logo após sair de sua residência. Carlos foi baleado nos ombros, pescoço, axila e peito.
De acordo com a Polícia Civil, Carlos Antônio era comerciante e morava no bairro São Raimundo, na capital maranhense.
No decorrer das investigações, a Polícia Civil do Maranhão identificou que os possíveis autores do crime são integrantes de facção criminosa, e que os executores dos tiros teriam recebido a promessa de serem pagos pela morte do comerciante uma recompensa em drogas.
Diante das provas obtidas, a polícia representou pela prisão dos suspeitos. Com o pedido aceito pela Justiça, os investigadores da Delegacia da Área Leste do Departamento de Homicídios da Capital, da Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), deram cumprimento aos mandados de prisão temporária.
Segundo o delegado George Marques, as prisões encerram a segunda fase das investigações referentes ao homicídio de Carlos Antônio Polary. No decorrer das investigações foi possível identificar a conduta de cada um dos envolvidos, estabelecendo a autoria intelectual do crime e identificando os executores dos disparos.
Após o cumprimento das formalidades legais, os presos foram encaminhados ao sistema prisional, onde devem permanecer à disposição do Poder Judiciário.
A Polícia Civil do Maranhão não divulgou qual teria sido a motivação do crime.