Vigilante acusado de matar o corretor Dino Márcio é preso em São Luís


Vítima foi assassinada em um petshop, após uma discussão. Edson Guedes é o principal suspeito do crime e se entregou na delegacia. Vigilante e auxiliar penitenciário Edson Guedes é acusado de matar a tiros o corretor de imóveis e professor de educação física Dino Márcio, de 47 anos.
Arquivo pessoal
Foi preso na tarde desta quarta-feira (11) o vigilante e auxiliar penitenciário Edson Guedes, que é acusado de matar a tiros o corretor de imóveis e professor de educação física Dino Márcio, de 47 anos.
O crime foi na última segunda-feira (9), em um pet shop localizado na Avenida Daniel de La Touche, em São Luís. Edson estava sendo procurado desde o dia do crime, mas somente agora se entregou à polícia.
O vigilante vai prestar depoimento na Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa e depois deve ser encaminhado para a Penitenciária de Pedrinhas, na capital.
Família está revoltada pelo assassinato do corretor Dino Márcio, em São Luís
O corpo de Dino Márcio foi enterrado na tarde desta terça-feira (10) no Cemitério do Gavião, em São Luís. Depois, parentes e amigos da vítima realizaram um protesto pacífico acendendo velas na porta do pet shop onde o crime aconteceu.
"Uma dor que a gente não consegue encontrar palavras pra gente mensurar. Nós, como amigos, nos sentimos indignados pela forma como aconteceu. Pela forma como ele foi assassinado", disse Célia Batista, amiga de Dino.
"Não tem adjetivos, nem qualidades para descrever o que ele era. Uma pessoa do bem mesmo, um homem bom", descreve outro amigo de Dino Márcio, Miguel Evangelista.
Amigos e parentes realizaram uma manifestação pacífica pela morte de Dino Márcio
Reprodução/TV Mirante
Segundo a polícia, Dino teria ido ao estabelecimento fazer a troca de um produto. Houve uma discussão e o vigilante do estabelecimento teria atirado três vezes no corretor de imóveis, que ainda foi levado para o hospital, mas não resistiu e morreu.
"Nessa discussão, o vigilante acabou sacando uma arma e disparou contra a vítima por três vezes, uma no peito, e duas na região das costas", declarou o delegado Felipe César.